23 de abr de 2010

Do Professor ao Educador

Acredita-se que um professor, o Mestre, capacita-se continuamente; adquirindo conhecimento especializado para o bom desempenho de seu ofício.

Todo conhecimento do professor não deve se resumir apenas ao conteúdo ministrado; é dever do professor qualificar-se didaticamente, visando envolver o aluno nos assuntos trabalhados, despertando-lhes a atenção, interesse e curiosidade.

Além disto, espera-se que o professor seja uma pessoa de boa índole e de caráter firmado nos valores morais e éticos.

Celso Vasconcelos, famoso especialista pedagógico, afirma que o educador necessita demonstrar autoridade nos domínios: Intelectual, Ético, Profissional e Humano.

Hodiernamente, percebe-se uma enorme correria por melhor qualificação; em que o futuro profissional erra ao procurar capacitar-se apenas intelectual e profissionalmente.

A grande maioria esquece-se do domínio ético e humano, que são reflexo de princípios e valores morais, senso de justiça, firmeza de caráter, compromisso com o bem comum, capacidade de perceber e respeitar o outro como pessoa.

Bom humor e descontração aproxima estudantes e mestres, mas exige-se limites.

O aprendiz deve respeito e obediência a seu mestre. Porém, este fato não autoriza que o mestre falte com o respeito a seu aprendiz.

Em hipótese alguma deverá um professor proferir palavras indecorosas e de baixo calão, nem mesmo escrevê-las na lousa onde só deveria conter palavras que enriqueçam e edifiquem.

Não se pode tolerar tais condutas dentro de uma sala de aula, principalmente advindas de um professor.

É inadmissível que aquele que deveria instruir e contribuir para o alicerce da boa conduta, seja o primeiro a demonstrar e incentivar os maus costumes.

Mestre-professor, não é somente uma pessoa que ensina, é um educador. Seu proceder deve ser exemplo e, por esta razão, sem máculas.

7 comentários:

  1. Muitos´professores que conheço de veriam ler esse post..
    O bom é que a maioria dos que conheço não precisa! Sabem-no e vivem em sua totalidade!

    Beijo

    (desculpe a ausencia, tava sem net...de novo!)

    ResponderExcluir
  2. Muito bem Márcia Rodrigues!Fico feliz por ter postado, será de grande utilidade, saberei seguir os seus conselhos!
    Muito obrigado!Adolei!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito, Srta. Marcia Rodrigues de Yuri Almeida!

    O proceder do mestre-professor exige um olhar global acerca da práxis pedagógica.

    Na responsabilidade de formar cidadãos conscientes, agentes de transformação social, a postura do mestre-professor está relacionada com o seu envolvimento no processo educativo dentro e fora da escola.

    Claro que, nisto, vale lembrar que a grande questão não seria medir a ética do educador, mas sim alertá-lo da importância deste tipo de conduta.

    A boa postura do mestre-professor é fundamental, e deve ser condizente com a função que este exerce.

    Corroboro a mesma opinião que a tua: ser educador requer fazer do trabalho escolar uma unidade de ação e não uma uniformidade. Requer dedicação e atenção constante aos pontos formativos de sua conduta; maturidade emocional, fundamentação pedagógica das atitudes que toma e respeito aos pontos discordantes.

    ResponderExcluir
  4. Sempre valorizei.. Eles são os mestres que nos ensinam muito.

    Beijos... te add no msn, vc aceitou?

    ResponderExcluir
  5. NATY:

    Aceitei, sim. :)

    É que não tenho tido tempo de entrar,

    mas acho que hoje à noite estarei on.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. tem poucos professores com consciência por aí..

    ResponderExcluir
  7. Hj recebi o prêmio dardos e seu blog é um dos que escolhi pra repassá-lo.

    abs amiga

    ResponderExcluir

Deixa a impressão que domina seu espírito saltar de si.