18 de jun de 2014

Sobre posicionar-se diante de Deus

Olá, varões e varoas!

Nesses dias de Aviva Mulheres tive a oportunidade de assistir a três pregações da pastora Rose Aranha, onde fui muito abençoada e impactada ao perceber como Deus falou comigo por meio dela.

A primeira pregação intitulava-se: Chamadas para Liberdade, que fala dentre outras coisas que o espírito do Senhor está sobre nós, que fomos ungidos, escolhidos para a Sua obra, e que a criatura espera  a manifestação dos filhos de Deus. Que fomos libertos do pecado por Jesus para servir em amor. (Isaías 61: 1-4, Gálatas 5:13)

A segunda pregação intitulava-se: Chamadas para fazer uma escolha, que devemos escolher entre o eterno e o temporal, entre o bem e o mal, e, que escolher um significa renunciar ao outro. Tudo que o homem semear isto também ceifará, então semeie o bem, o amor. Que devemos nos posicionar, ter um coração disposto. (Gênesis 25:24-27)

A terceira pregação intitula-se: Chamadas para andar com Deus, a qual diz que nossa vida deve estar envolvida com fé; que devemos parar para ouvir a voz de Deus; que devemos andar com Deus como Enoque andou. Cuidar em agradar a Deus, confiar no Senhor, crer e obedecer. (Números 9:17-23; Josué 3:10-17)

No final da terceira pregação quando dava exemplo de crer e obedecer, ao falar de Gideão, a pastora mostrou-nos algo muito interessante, que um líder não só aponta o caminho, mas conduz seus liderados pelo caminho; dá as instruções e torna-se um referencial.

E disse-lhes: Olhai para mim, e fazei como eu fizer; e eis que, chegando eu à extremidade do arraial, será que, como eu fizer, assim fareis vós. (Juízes 7:17) 

Falou também sobre cobertura espiritual, que significa autoridade, paternidade, proteção e amizade profunda sobre nossas vidas. E mostrou-nos que devemos honrar nossa cobertura espiritual, com amor, oração, presentes e ofertas. (Gálatas 6:6)

E um líder deve ter sempre em mente que é exemplo, que está sendo observado, que todos que se achegarem a ele buscam sentir a presença de Deus, que deve ser circunspecto. E para que isto aconteça é necessário que tenhamos consciência de que Jesus nos libertou para servir, e diante disto nos posicionarmos para viver pela fé e andarmos com Deus.

Graça e Paz!

21 de mai de 2014

Sobre União Estável e Batismo

Graça e Paz, queridos!

Tive em meu coração o desejo de saber se uma pessoa que não é casada mas vive em união estável com alguém pode se batizar e ceiar no corpo de Cristo.

Então, orei pedindo a direção do Senhor e iniciei minhas pesquisas.

Primeiramente precisamos saber o que é batismo.

O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que n’Ele crê: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28.19).

Em Atos 2:14-41 Pedro prega sobre Jesus e aqueles que receberam a palavra, ou seja, creram em Jesus foram batizados e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações, isto aconteceu com quase três mil pessoas.

A condição para recebermos o batismo é apenas crer em Jesus.

E o que é união estável?

União estável é a relação de convivência entre homem e mulher que é pública, contínua, duradoura e com o objetivo de constituição familiar.

O Código Civil brasileiro, em seu artigo 1.723, reconhece a união estável e não menciona tempo mínimo de duração de convivência para que possa existir. Não é necessário nem mesmo que morem juntos, mas será considerada união estável, desde que existam elementos que provem as características a cima mencionadas, como por exemplo a existência de filhos, testemunhas, fotos etc.

Logo, não se pode excluir alguém que vive em comunhão estável de ser batizado uma vez que creu no Senhor.

Em I Co 11:27-19 Paulo nos exorta a não participarmos da ceia indignamente, isto é, recomenda que nos examinemos a nós mesmos e se estivermos em pecado, que primeiro nos arrependamos e nos reconciliemos com o Senhor.

Portanto, a condição para participarmos da ceia é estarmos dignos de participar da comunhão com os crentes.

Viver em união estável não torna uma pessoa indigna, visto que, a união estável é reconhecida por nosso ordenamento jurídico, e por esta razão não se pode excluir uma pessoa que vive em união estável de participar da ceia.

No mais, como sei que você é um filho de Deus e servo fiel, não esqueça de me convidar para a festança quando deixar a união estável partindo para o casamento.

A Paz!

26 de jan de 2014

Honra a teu pai e a tua mãe

Olá, varões e varoas. Quanto tempo! Pois é, quase um ano, mas estou de volta, rsrss.

Semana passada aconteceu algo que me deixou muito triste e me fez perder o sono. Me fez meditar em como devemos honrar aqueles a quem devemos tudo, e nos amam infinitamente.

Não que eu seja uma filha exemplar, embora eu tenha melhorado muito depois da minha conversão, ainda estou longe de ser aquela filha que agrada ao Senhor; mas sigo buscando.

Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá. (Êxodo 20:12)

Honrar é mais que amar, respeitar e obedecer; na verdade é tudo isto junto e muito mais.

É ter em alto grau de apreciação, é tratar com a máxima dignidade, é buscar ter um relacionamento com ausência de máculas; e fazer tudo isto com um sentimento de dever e subserviência.

Honra envolve estima, reverência e apoio. Significa dizer que nós devemos amar, respeitar tementemente, demonstrar profundo reconhecimento e devemos ser o sustentáculo, o auxílio, a proteção quando necessário.

Filho meu, guarda o mandamento de teu pai, e não deixes a lei da tua mãe; (Provérbios 6:20)

Nossos pais nos aconselham, ditam regras porque nos amam e querem sempre o melhor para nós.

Porque o mandamento é lâmpada, e a lei é luz; e as repreensões da correção são o caminho da vida, (Provérbios 6:23)

É a forma de nos disciplinar e proteger.

O que despreza a palavra perecerá, mas o que teme o mandamento será galardoado. (Provérbios 13:13)

Devemos nos submeter sempre, pois há tempo para tudo, e um dia responderemos por nós; mas ainda assim, nunca será tempo de descumprirmos um mandamento de Deus.

Graça e Paz!