21 de fev de 2011

Santidade - Separados para Deus


Todo cristão deve trazer em si a marca da santidade ao Senhor. “À igreja de Deus que está em Corinto, aos SANTIFICADOS em Cristo Jesus, CHAMADOS PARA SEREM SANTOS, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso” (1 Coríntios 1.2).

Santidade é uma das qualidades de Deus e também um mandamento para a conduta de todo cristão. A Palavra de Deus declara a santidade de Deus e expressa a vontade de Deus de que seus filhos desenvolvam uma santidade semelhante. "Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: Santos sereis, porque eu, o SENHOR vosso Deus, sou santo" (Lv 19:2) "Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver" (1Pe 1:15).

Todos são chamados a viver uma vida pura, a andar de acordo com princípios diferentes dos praticados no mundo; os cristãos devem estar separados, escolhendo sempre fazer o que o Senhor deseja.

Deus, em sua Palavra, nos instrui a não mais viver de acordo com nossos velhos desejos e padrões de comportamento. "Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo" (1Pe 1:13-16).

Somente Deus é Santo por natureza; mas o Espírito Santo nos concede o poder de buscar a santidade e vivermos como imitadores de Cristo. "Porque não nos chamou Deus para a imundícia, mas para a santificação. Portanto, quem despreza isto não despreza ao homem, mas sim a Deus, que nos deu também o seu Espírito Santo" (1Ts 4: 7-8).

À medida que buscamos ser santos e convidamos o Espírito Santo para trabalhar em nós, vamos sendo purificados por Deus, que nos leva a caminhos retos, nos fortalecendo para enfrentarmos as tentações. O Senhor nos transforma! "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (2Co 5:17).

17 de fev de 2011

Existe "namoro santo"?


Se você acredita na corte como um relacionamento cristão é por que você desacredita em namoro, namoro santo, bicho papão etc.

Um relacionamento cristão deve ter como prioridade a busca da santidade e da vontade de Deus para o casal em aliança, o que não há no namoro. Este visa unicamente gratificação pessoal e satisfação de seus próprios desejos. 

Namoro, beijo, sexo, qualquer nível de intimidade entre homem e mulher, antes do casamento, são maldições. E a Bíblia não se cala quanto a isto, pois ela alerta, exorta e proíbe a lascívia, a fornicação, a promiscuidade, a prostituição, a defraudação, a concupiscência, a escandalização - as obras da carne. O namoro, admita, é tudo isto!

O diabo criou o namoro para dar a oportunidade aos jovens de "curtirem" coisas próprias de uma relação de casamento, sem serem casados. E não. Eu não estou falando de sexo.

Na verdade, o grande erro dos que professam o nome de Jesus como Senhor é resumir a santidade em fazer sexo. Não entendeu? Eu explico: acreditam que namoro santo é apenas não ter este relacionamento, o sexual. Podem assumir compromisso um com o outro, mesmo sem ter condições e o real querer de se casarem. Onde está a santidade nisto? Onde está Deus?

Mas o que a Bíblia diz a respeito de relacionamento entre homem e mulher? "Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; tornando-se uma só carne" ( Gn 2:24 e Ef 5:31).

A palavra de Deus ordena que, tendo o homem o querer de se unir a uma mulher, que este se una em casamento - ou você imagina que o Senhor fala o quê, quando nos ordena a deixar os nosso pais e nos unirmos ao outro?

Deus só permite a união entre os Seus filhos se for para casar. Qualquer coisa fora disto, é defraudação.

Defraudação é provocar no outro um desejo que você não pode suprir: o desejo de estarem juntos, de serem um do outro, de se darem um para o outro, como Paulo descreveu em 1 Co 7:4 "A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher".

Por fim, amados, deixo-vos esta passagem para que, em Espírito e em Verdade, meditem:

"Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito" (...) "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo" (Romanos 8: 5,9).





16 de fev de 2011

Corte, um relacionamento santo



Corte é o relacionamento santo entre homem e mulher adultos com o fim de casamento. É a inexistência completa de qualquer contato físico que leve à impureza. "Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus" (1Ts 4:4-5). “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá a Deus” (Hb 12.14)

É uma amizade comprometida com um futuro casamento debaixo da bênção, acompanhamento e permissão de Deus, dos líderes espirituais e dos pais do casal.

Enquanto não chega-se a fase adulta e não há o casamento, deve-se estar separando-se, santificando-se para Deus, individualmente; buscando uma maior intimidade com Ele. "Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor" (2Tm 2:22).

Reconheço a corte como uma vereda antiga. "Vede e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho. Andai por ele e achareis descanso para as vossas almas" (Jr 6:16). Outrora, usava-se a corte, e, ao longo dos anos, por uma investida do inimigo, esta foi sendo deturpada até se transformar, ao século XX, no namoro conhecido nos dias atuais.

Acredito na corte como um caminho que acha graça ao olhos de Deus, porque é uma forma de guardarmos nosso corpo em santificação e honra. E de seguirmos a forma correta de relacionamento, que seria a seguinte: a corte como um período de tempo e não como um estágio de relacionamento; tempo para que os pais e os líderes abençoem o casal e depois disto se prepare o noivado, logo seguido do casamento. 

Isto porque subtende-se que você tenha orado a Deus por alguém que você conheça, porque não é inteligente que você ore pedindo bênção e confirmação para casar com alguém que você não conheça a índole, daí não ser a corte uma fase de um relacioamento para se conhecer alguém.

Se você faz parte de uma igreja que professa a corte como relacionamento de Deus, entre homens e mulheres, e, ainda assim, namora, você está cometendo o pecado de transgressão, pois a Palavra de Deus deixa bem claro que você deve obediência e honra a seus líderes e sujeição às autoridades, visto que toda autoridade é dada por Deus (Hb13:17 e Rm 13:1).

E sendo nós conhecedores da verdade, sabemos que o salário do pecado é a morte, posto que todo aquele que pecar contra Deus será riscado do livro da vida. (Rm 6:23 e Ex 32:33).