4 de fev de 2010

A Mentira

Desde criança, seja em casa ou na escola, somos ensinados a não mentir. Mentir é feio, dizem.

Kant afirmava que, pela mentira, um ser humano descarta e, por assim dizer, aniquila sua dignidade como ser humano.

Tenho a mentira como a maior violação de um dever moral, visto que, o ser humano está moralmente obrigado a ser honesto, sincero e reto.

Porém, o que se vê na sociedade de hoje é a valoração da mentira, utilizando-a como meio de demonstrar sagacidade. Para obter-se um fim desejado, o homem valoriza qualquer meio.

Como apreciar a mentira, se ao mentir fazemos de nós um objeto de desprezo aos olhos dos outros? A mentira é como o sol que rompe as nuvens de chuva, mais cedo ou mais tarde será revelada.

O mentiroso reflete sua total falta de escrúpulos; mostra a falsidade própria de sua natureza hipócrita e cruel.

A mentira deve sempre ser evitada, posto que é uma enorme ofensa àqueles a quem o mentiroso tem o dever de proceder como a verdade.

6 comentários:

  1. Bons pensamentos e escrita, Marcia.

    Golpe baixo; atitude covarde de nossa parte. Mentir é uma inclinação tão marcante do ser humano falível, contingente que a Bíblia diz claramente: "Todo homem é mentiroso" (Sl. 115,11; Rm. 3,4).

    Não acredito que há graus de gravidade a serem analisados, em que o ser pensante vai desde uma mera imperfeição até a gravíssimos delitos.

    Mentir é sempre mentir, não existe mentira piedosa, pequena ou grande. Existe pura e simplesmente a mentira.

    Ponto.

    Deveras, mentir é moralmente errado - até os mentirosos estão de acordo.

    Prova disto é o extremo cuidado que tomam em ocultar suas mentiras.

    Alguém já disse que "mentir pra se mesmo é sempre a pior mentira". Verdade.

    O auto-engano é como uma mentira ao quadrado.

    A mais traiçoeira mentira não é a que contamos para os outros, é a que contamos para nós.

    ====================

    Amo você, minha blogueira-escritora linda.

    ResponderExcluir
  2. Amor?!


    Acho interessantíssimo o que kant fala em sua obra, A Metafísica dos costumes, ele repudia a mentira em todas as suas formas.

    Diz que há a mentira externa (quando mentimos para alguém) e a mentira interna (quando mentimos para nós próprios); e a mentira interna é ainda pior.
    E há ainda aqueles que mentem com a falsa intenção de fazer o bem, que estão na verdade sendo falsos.

    Traduziste aqui, todo o pensamento de Kant; o qual notóriamente comungamos ;D


    [Amo você, Yuri!]

    ResponderExcluir
  3. Infeliz aquele que acha que atingirá o outro com mentiras.
    Que pobre alma podre, doente, quase sem vida.
    Um dia vagará sem rumo. Um corpo sem alma, completamente só.

    bElo post, amiga!
    beijos

    ResponderExcluir
  4. ...
    É Márcia.
    "A prática é o critério da verdade". (Marx)
    Bjs.
    ...

    ResponderExcluir
  5. Interessante, caro Júlio!

    ...seria fazer concordar as idéias com o mundo exterior objetivo, inclusive com as leis de comportamento, sem isso, fracassaria-se na prática.

    Analisando o caso vertente, seria concordar com os valores morais; praticá-los.

    Grata pela visita!

    ResponderExcluir
  6. Eu sabia que também não iria me arrepender de vir aqui! Seu blog é lindo e principalmente inteligente! Eu não poderia deixar de comentar esse post sobre a mentira. A mentira cansa, se desgasta e por isso um dia vem à tona a sua aniquiladora: a verdade. A sofrível mentira passa-se por felicidade, alegria, paz... mas, isso dura pouco, muito pouco mesmo. Gostei demais daqui! Já estou seguindo e irei voltar muitas vezes!

    Um abraço mais que carinhoso! Seja bem vinda ao Poética!

    ResponderExcluir

Deixa a impressão que domina seu espírito saltar de si.